Vilão ou herói? Desmistificando o ar condicionado!

Para você o ar condicionado é o mocinho ou o vilão na questão da conta de luz e da sustentabilidade? Nós queremos te ajudar a entender melhor esse cenário!

Não podemos negar que o avanço da tecnologia e a agilidade da informação é uma das coisas mais preciosas dos dias de hoje. Mas, considerando como é fácil pesquisar qualquer coisa online, temos que nos preocupar com a veracidade da informação. Ainda há alguns mitos surpreendentes sobre o ar condicionado. Alguns têm a ver com a eficiência energética, enquanto outros são sobre o uso adequado, e o mais popular parece ser sobre o tema da saúde.

O vilão da conta de luz

Existem aparelhos que realmente são os vilões da conta de luz, é verdade. Mas existem muitos equipamentos com eficiência energética de ponta que vieram desmistificar esse título do ar condicionado. Para garantir o bem estar e conforto, a primeira medida é escolher um aparelho que se enquadre à necessidade de onde será instalado. A partir daí, deve-se ter em mente que o circuito elétrico precisa estar em conformidade com a alta potência que irá receber. E ainda, escolher produtos que tenham o Selo Procel, que atesta ao consumidor equipamentos e eletrodomésticos mais eficientes e que consomem menos energia.

Além disso, com tecnologia moderna, termostatos programáveis estão disponíveis, o que significa que se pode configurá-los para alterar as temperaturas em determinados momentos e ou até mesmo fazer uma pausa quando ele não precisa estar em uso. Manter o controle do ar do ambiente também faz a diferença na eficiência do aparelho.

De olho na saúde

Ainda hoje, muitas pessoas acreditam que o ar condicionado seja responsável por resfriados, dificuldade no sono, espalham contaminantes aéreos e causam até mesmo artrite. A verdade é que as pessoas contraem resfriados não pela mudança de temperatura e sim por causa de agente virais.

Quando o assunto é a respeito dos equipamentos tornarem a qualidade do ar interior pior, espalhando contaminantes nocivos, cabe um ponto de atenção, já que os equipamentos impedem a circulação de alérgenos e outras partículas. A menos que seu condicionador de ar seja antigo e não passe por uma manutenção de limpeza, ele vai contribuir a manter a qualidade do ar boa.

Já o mito da artrite provavelmente originou-se a partir da máxima que temperaturas excessivamente frias parecem fazer piorar os sintomas da doença. Mesmo que agravem uma condição existente, comprovadamente não causam isso. Apenas certifique-se de ajustar a temperatura a um nível confortável e não haverá nenhum problema.

E o planeta nessa?

As coisas mudaram muito de poucos anos para cá e hoje o funcionamento desses equipamentos deu um passo significativo na luta para afastar os piores efeitos do aquecimento global. Nesse sentido, o condicionamento de ar eco-friendly está se tornando cada vez mais difundido, com uma série de inovações tecnológicas. Isso engloba inovações que já há algum tempo figuram nessa indústria, como o dimensionamento correto dos equipamentos, compressores de dois estágios, sistemas combinados personalizados, bombas de calor geotérmica, termostatos programáveis e manutenção regular.

É claro que o caminho ainda é longo e não podemos fechar os olhos afirmando que atualmente não existe impacto ambiental. Porém, com a utilização, por exemplo, de gases fluorados em substituição aos clorofluorocarbonetos (CFC) e hidroclorofluorocarbonetos (HCFC), é notório que a indústria mobilizou-se numa força tarefa para cada vez mais erradicar o problema.

Quer se atualizar sobre as principais novidades do mercado? Então assine a newsletter da Febrava!

Assine agora!

 

Facebook Comments Box